Meu nome é Samuel Moura Soares, mestre em Física, bacharel em Teologia e pastor. Pastoreei a Igreja Batista Betel em Belém do Pará por 10 anos, de onde Deus me chamou para o ministério que hoje executo na presença de Deus na área da Ciência e Fé. Também atuei como professor de física na Universidade Federal do Pará e na Anhanguera Educacional em São José dos Campos, SP.
Atualmente, sou pastor auxiliar na Igreja Batista no Jardim Satélite em São José dos Campos, SP, professor de física na rede estadual de São Paulo e no CEPHAS (Centro Educacional Professor Hélio Augusto de Souza), escola técnica da cidade, onde também leciono Tecnologia e Meio Ambiente.
Depois de 30 anos estudando a questão da Criação e da Evolução, editamos o Livro Teofísica Criação e evolução Numa Nova Ciência, que tem sido um sucesso nos meios acadêmicos e teológicos em geral, sendo aprovado pela Academia Brasileira de Teologia. Tenho ministrado palestras em faculdades como a UNESP em Guaratinguetá, a UFPA em Marabá – PA, e a Anhanguera e UNIP em São José dos Campos, SP, com grande aceitação pelos cientistas e estudiosos que participaram dessas palestras. Ministrei também em várias igrejas, e no Conselho de Ministros de São José dos Campos SP. Vale destacar que tive a oportunidade de falar sobre o tema para 4000 pastores na sede da Assembleia de Deus no Belém, SP.
Como resultado dessa aprovação, a Teofísica foi transformada em curso de especialização encampado pelo Seminário de Teologia Antioquia Internacional, pela faculdade Tecnológica de Palmas e Escola de Negócios de Brasília.
A Teofísica tem como ideia principal a criação de um modelo que unifique o modelo científico atual, o chamado Modelo Padrão e o Modelo Teológico vigente na teologia Cristã de um modo geral.
Para começarmos a abordagem Teofísica, vamos analisar o Big Bang do ponto de vista da Teofísica.
No início do século 20, os físicos se dividiam em dois grupos: aqueles que acreditavam que o Universo era eterno e imutável, sempre existiu e sempre existirá, nunca tendo um início, e consequentemente, sem um criador do mesmo; e aqueles que acreditavam que o Universo teve um princípio, vindo a existir a partir de uma realidade anterior ao mesmo, e,  consequentemente, veio a existir a partir de um instante definido, emergindo de alguma coisa preexistente.
Os físicos que compunham o primeiro grupo se baseavam no princípio da conservação da massa e da energia, descoberto por Lavoisier e ampliado por Einstein, ao mostrar que massa e energia são apenas manifestações de uma mesma entidade em estados diferentes. Este princípio diz: “A matéria e a energia não podem ser criados nem destruídos, apenas transformados”. Como o Universo é feito de matéria e Energia e a mesma não pode ser criada nem destruída, logo o mesmo seria eterno e imutável.
O segundo grupo que defendia que o Universo passou a existir em um determinado instante se baseava no Princípio zero da termodinâmica. Este princípio diz que “Um sistema isolado entrará em equilíbrio térmico com o passar do tempo”. Se o Universo fosse eterno e imutável, ele deveria estar em equilíbrio térmico, todo o Universo em uma mesma temperatura, o que sabemos que não acontece.
Hoje sabemos que o segundo grupo venceu a questão, pois a ciência demonstrou através de vários experimentos que o Universo teve um início, há aproximadamente 13, 7 bilhões de anos atrás.


Essa descoberta da ciência só confirmou o que a bíblia já dizia há milhares de anos antes. As duas primeiras palavras da bíblia falam da criação do Universo. Dizendo: “No princípio, criou Deus os Céus e a Terra”. A bíblia sempre disse que tinha havido um início do Universo. O Big Bang é a comprovação científica dessa verdade expressa nas duas primeiras palavras da bíblia. O Universo teve um princípio!
Até a próxima edição.